Sobre NY e Depeche Mode

Ontem eu experimentei toda uma gama de sentimentos em um curto espaço de tempo. Sabe aqueles dias em que tudo te surpreende? Você acorda achando que sabe o que vai acontecer e não sabe nada? Eu gosto desses dias.

Estava com dois ingressos comprados para o show do Depeche Mode no Nissan Pavilion (mais ou menos 1 hora e meia de Washington, contando o trânsito) há mais de um mês. E eles tinham custado caro... Mas como é das minhas bandas preferidas, achei que vê-los ao vivo merecia um lugar privilegiado. Ah,sim. Show aqui, mesmo de rock, é com cadeira marcada.

Anteontem meu significant other anunciou estar acometido de gripe, de forma que não iria comigo ao show. Quem o conhece poderá, não sem alguma razão, comentar que a gripe foi uma ótima desculpa pra escapar de ir a um show. Mas o fato é que ele não ia. E eu queria MUITO ir.

Amanheci derrotada, pensando em como minizar a perda, tentar vender os ingressos... Chateada. Cabisbaixa. Fui oferecer pro meu chefe, que me disse já ter comprado os dele e, simpaticamente, me convidou para ir junto com ele e a esposa.  Pensei na possibilidade, achei muito bacana o convite, mas a possibilidade de ficar sentada sozinha no show ainda não me animava o suficiente. Estava em dúvida. E assim fiquei grande parte do dia. As horas passando, nenhum interessado nos ingressos, eu indecisa.

Às cinco e pouco da tarde, disse pro meu chefe que agradecia muito o convite, mas não ia. Deixei até os meus ingressos para ele dar para alguém que estivesse indo comprar lá. Ele comentou que minha cara de triste era tão grande que ele ficava até mal de estar indo. E me deixou o celular, caso eu mudasse de idéia em 15 minutos.

Não foi nem que eu mudei de idéia. É que aconteceu uma coincidência que me salvou o show. Meu irmão, que está nos EUA para o níver do Nuno, estava fazendo turismo o dia todo e resolveu me ligar, de orelhão, da estação de metrô aqui perto do prédio pra saber se eu estava indo pra casa. Ele já tinha dito que nem conhecia a banda e eu tinha partido do pressuposto de que ele não ia querer ir. Mas eu subestimei o companheirismo do meu irmão Legal Explicada a situação, ele não só topou ir, como topou ir direto dali, com a roupa do corpo do dia inteiro, e de carona com gente que ele nunca tinha visto antes.

Liguei pro meu chefe, que já estava a caminho do show, mas foi fofo o bastante pra voltar e nos pegar. (Já tinham-se passado mais de 15 minutos). E assim fomos. Em um golpe de casualidade (nada estava nem remotamente combinado com o meu irmão), minha vida foi salva, por assim dizer. Garanto que eu ia morrer menos feliz se não tivesse ido a esse show.

Foi bom DEMAIS. Durante o show, lembrei muito da minha empolgação de ir ver o New Order em Brasília (teve post sobre isso aqui no Diliça) e de como o Depeche Mode superou aquele show em todos os quesitos. Tudo bem, tudo bem, todos os devidos descontos devem ser dados. Aqui é Estados Unidos, toda a infra ajuda, facilidade da tecnologia, coisa e tal. Mas, na boa, eles exploraram MUITO bem as possibilidades. A cenografia, a iluminação, eram maravilhosos. E não só isso, mas o New Order, para minha decepção, passaram uma impressão de estarem requentando o prato velho, sem tesão, sem criatividade, meio que para ganhar o restinho do dinheiro que podem. Coisa que passou beeeeem longe do Depeche Mode de ontem: eles estavam no auge.

O set list misturava músicas dos discos mais novos - que eu conheci, embora não tenha gostado muito - com os sucessos que todo mundo estava louco pra ouvir. Música de dançar, música de ficar quietinho e cantar junto, música pra fazer um pouco de cada e gritar feito louco. Dave Gahan ainda_consideravelmente_gatinho e mandando bem na performance - incluído o rebolado diliça. O melhor sinal de que o pessoal estava mesmo muito bem é que o meu irmão, que nunca tinha ouvido nenhuma música, curtiu e até levantou pra dançar umas três vezes. Para mim, que sou fã desde os 12 anos (lembro de uma conversa com o então namorado de uma prima mais velha, em 1991, sobre "Enjoy the Silence", "Strange Love" e "Just Can`t Get Enough", todas músicas que eu já gostava, mas que ele me explicou serem da mesma banda, cujo nome nunca mais saiu da minha cabeça) foi um dos que mais gostei de ter assistido até hoje. Mesmo. Sem dúvida. Fiquei realmente agradecida aos céus por terem, de alguma maneira, me convencido e me possibilitado estar ali ontem.  Ao contrário do New Order, que sempre vai ter um lugar muito especial no meu coração musical, mas não na minha escolha de shows, o Depeche Mode eu ainda vou ver de novo, se tiver chance.

PS: Sobre NY, a vinda do meu irmão foi uma ótima ocasião para fazer a primeira viagem a NY morando nos EUA. É um L-U-X-O poder passar o final de semana lá. E foi muito, muito legal re-encontrar 2 dos 39 + cônjuge + filhote + 1 membro honorário (El Pupo). Meu irmão adorou; eu, mais ainda.



Confessado por Bibi-chan às 13h11
[ ] [ envie esta mensagem ]


O ryokan

De todas as coisas maravilhosas e surpreendentes que existem neste país, um dos segredos mais bem escondidos do mundo exterior é o ryokan, geralmente definido como uma pousada japonesa.

Eu não estou falando do ryokan simplezinho - mencionado em todos os guias de turismo, by the way - onde você simplesmente veste uma yukata (um quimono leve de verão), dorme num futon no quarto de tatami e come uma comidinha diferente e caprichadinha. Não que estes não sejam interessantes, mas são mais uma curiosidade do que qualquer outra coisa (tipo o hotel de cápsula).

Eu estou falando do ryokan de alto nível, mas não levem essa expressão a mal - é porque eu não consigo achar outra maneira de definir. Porque a essência do ryokan é fazer você se sentir confortável, bem-recebido, estimulado sensorialmente e em total e completa paz - tentar fazer de todos nós Budas por um dia. Só que eles conseguem fazer isso em níveis diferentes. Aos que se esmeram nessa arte, direi que são de alto nível então. Mas a verdade é que quanto mais alto nível ele é, mais simples ele parece. É um lugar onde toda a delicadeza e refinamento da alma japonesa se convertem numa experiência lúdica, mágica e perfeita. Por uma noite, o mundo é como deveria ser. :)

Pra dar uma idéia mais concreta, vou relatar brevemente minha experiência com o ryokan Kuramure, onde estive recentemente com meus pais. Pra começar, os caras te mandam, com 3 semanas de antecedência, um questionário com perguntas do tipo: 'que horas você vai chegar na estação de trem? que horas parte? quantos homens e quantas mulheres em cada suíte? restrições alimentares? que horas quer jantar? que horas quer tomar café-da-manhã?', etc.

Respondidas as perguntas, 5 dias antes eles mandam outro e-mail para confirmar sua ida e se os detalhes permanecem os mesmos. 

No dia da chegada, às 15:44, na ala sul da estação X, está um motorista fardado ao lado de um micro-ônibus e segurando uma placa do Hotel. Ele pega suas malas e vocês seguem para o local. Lá chegando, três funcionários estão na porta do ryokan, e inclinam-se respeitosamente em boas-vindas. Um deles, encarregado da sua estadia, leva o grupo até a recepção, onde 1 minuto depois é servido um refrescante chá gelado com um docinho japonês. Enquanto esta pessoa mostra o ryokan e todas suas dependências para você (sala de leitura, bar, sala de música, banhos públicos feminino e masculino, etc.), outro funcionário leva suas malas para a sua suíte. A decoração do lugar é moderna, minimalista e impecável.

Na suíte, composta por um hall de entrada, uma sala, dois quartos (todos em tatami), um banheiro e uma sala de banho, há tudo que você poderia precisar e um pouco mais. Cada pessoa recebe dois conjuntos de vestuário tradicional japonês - um para circular no ryokan e outro para dormir. Todos os produtos disponíveis ali, desde o shampoo até o chá verde, são do bom e do melhor. Da janela da sala, no segundo andar, pode-se ver um estreito jardim japonês ladeando pequeno riacho; uma cortina de árvores isola suas janelas de quaisquer outras propriedades vizinhas.

A sala de banhos, com uma enorme banheira de granito, é servida pela fonte de águas termais do ryokan. Essas fontes também alimentam os quatro grandes banhos públicos (externos e internos, para homens e mulheres). A banheira fica ao lado de outra grande janela, que pode ser aberta para que o som do riacho possa ser ouvido durante o banho.

Na hora do jantar, um funcionário vem à sua porta e lhe escolta até uma sala privada de refeições. Ali, por duas horas, você é servido de uma infinidade de pequenas porções de cozinha 'kaiseki' - a mais tradicional e sofisticada do Japão. Bebidas (qualquer uma, não só no restaurante, como também no bar e na suíte) são por conta da casa. No café-da-manhã, ocorre a mesma coisa. Por fim, repete-se o ritual do trajeto ryokan-estação. Os funcionários inclinam-se mais uma vez do lado de fora do prédio, e permanecem assim por mais alguns segundos depois que o busú vai embora.

Eu sei que vocês estão pensando: 'porra, quanta frescura'. Eu sei que parece - mas não é. Porque, uma vez que você percebe que o objetivo do ryokan não é simplesmente te _hospedar_, e sim te proporcionar uma experiência, você se dá conta que nada ali é excessivo. Afinal, tanto o excesso quanto a negligência afetariam negativamente o propósito da coisa toda. A arte da coisa está no equilíbrio, e ela vem sendo refinada há centenas de anos. 

Por isso, recomendo que, se um dia passarem por aqui, reservem alguns dinheirinhos para isso. Talvez nem seja a sua onda, mas não custa entrar na brincadeira por um dia. E se gostar, como eu, opções não faltarão!!! :))



Confessado por Bera-chan às 15h07
[ ] [ envie esta mensagem ]


He died, you win!

Hoje tive um acesso de riso de manhã, um refresco dessa chatice que é um país obcecado pelo politicamente correto e por umas coisas do tipo isso aqui, que recebi da minha academia de ginástica! Sério, vê se tem condição uma coisa dessas:

http://hosted.vresp.com/214712/306ed7241c/11002773/27877cfad0/

Voltando à minha história boa de hoje - eu gosto de rádio. Sempre ouvi, desde criança, e até hoje gosto da sensação de você entrar no carro e estar tocando uma música que você adora, sem ter sido você quem colocou pra tocar. Dá meio que a impressão de que era pra você escutar a tal da música e eu gosto dessas sensações meio místicas.

Enfim, eu escuto um programinha de rádio de manhã que se chama "Elliot in the Morning" na DC 101, de rock. É um programa de gente falando, sobre diversas coisas, tem entrevista com banda, tem de tudo. Hoje, eu vi que o locutor principal tava atendendo ligações de telefone com alguma saudação que eu não tava entendendo de jeito nenhum. Eu ouvia algo assim como "ridaruí", "ridaruí" e aí a pessoa respondia: "Hello".

De todo modo,  era tipo um concurso, valendo ingresso pra show, com perguntas sobre a vida do David Carradine - o Bill, que morreu daquele jeito meio embaraçoso, como vocês estão sabendo. E aí as perguntas iam evoluindo, tipo até chegar ao Michael Hutchence (porque o pobre morreu do mesmo jeito), INXS e tal. Daí.... Finalmente, deu a hora de o programa acabar, o cara fez a última pergunta até alguém acertar e aí explicou:

- "Como vocês já sabem, aqui na DC 101 é assim. Quando morre a celebridade, você estuda direitinho e tem a chance de ganhar seus ingressos no HE DIED, YOU WIN"    NÃO É BOM DEMAIS??????!!!!!!

Deve ser porque eu já estou cansada desse povo meio bundão, mas eu me diverti demais :) Ah, sim. Bruno, eu moro em DC mesmo, num bairro que chama Palisades, entre a Foxhall Road e a MacArthur Boulevard. Lembra onde é?



Confessado por Bibi-chan às 17h40
[ ] [ envie esta mensagem ]


"É, é isso mesmo"

Olá!!!! Acharam que o blog passaria a ser de uma autora só, né?! HUAHUAHUAHAUHAUAHUAHUA VOLTEI!!!!!!!!!!!!!!!!!!  Beijo

Antes de mais nada, quero fazer uma solicitação à outra dona do blog. Por que não temos um novo layout, algo assim pra celebrar a nova conexão geopolítica que aqui se estabelece??? EUA e Japão mantêm uma história interessante, envolvendo guerra, admiração, que há pouco se traduziu no Cherry Blossom Festival aqui em DC. Reza a lenda que as primeiras cerejeiras foram presente dos japoneses aos EUA em 1910. Só sei que a florada das cerejeiras é um negócio lindo de dar nó na garganta. É a florada do ipê branco em grandíssima escala, por toda a cidade, mobilizando toda a população. E, claro, me fez sentir pertinho da Bera-chan...  Fotos no Flickr: http://www.flickr.com/photos/11214948@N04/

Nem sei ao certo por onde começar. A vida muda tanto em tão pouco tempo... Dá uma sensação vívida de recomeço mesmo - de que dá pra fazer tudo de novo (e certo) desta vez. Porque você é transplantado, essa é que é a verdade. Ninguém que você conhecia antes (salvo marido e filho, no meu caso) está por perto. Claro, tem os colegas que você já conhecia. Mas nunca é a mesma coisa de quando você está só com eles de conhecidos. Os amigos passam a ser a sua família.

Comigo, estava tudo indo muito bem. Eu estou_bastante_ contente com o trabalho, por enquanto. Descolei uma casinha simpática pra morar (fotos no Flickr), um carritcho considerado simples aqui, mas que no Brasil passa por bacana, não pago imposto, o Nuno está com o quartinho todo bonito (coisa que no Brasil custaria muito mais), muita coisa pra fazer, muita coisa pra arrumar, conhecendo gente o tempo todo... Mas, como previu a outra autora, em sábias palavras, depois de um tempo, quando tudo está mais ou menos no lugar - um novo lugar - você pára e pensa: "É, é isso mesmo". Pra mim, aconteceu ontem. E eu cheguei há pouco mais de dois meses.

Um amigo, ex-colega de divisão, me contou que vai pegar um apê no prédio em frente ao que eu morava. Coisa legal e tudo mais. Daí, eu comecei a lembrar do meu ap., da quadra, de como era perto da casa dos meus pais, de como era fácil e natural andar em Brasília, de como aquilo é que é minha casa. E que vai demorar pra eu voltar pra lá. Me deu saudade, de verdade, doída mesmo, pela primeira vez. Passei o resto do dia pensando no Brasil, em Brasília, na minha família, nos meus amigos. Em como a vida lá vai seguindo sem mim. É meio que uma sensação de morte sem ter morrido, eu achei. Tipo, tudo tá lá do mesmo jeito, funcionando, indo em frente, só que sem a gente. Extrônho...

Bueno, hoje tudo meio que voltou ao "normal", até porque, finalmente!, fez um dia lindo. Tudo fica mais bonito com sol, né? Eu cheguei à conclusão de que gostava de dia nublado no Brasil só porque o sol é meio que opressor lá! A gente não tem variação de clima, não dá nem pra apreciar de verdade quando faz um dia de sol, quentinho. Morar em um lugar que tem de tudo, em termos de clima, é muito diferente. Te faz ter vontade de ter calor - e tenho certeza de que dá vontade de voltar a ter um pouco de frio também. Enfim... Há que se curtir o que se apresenta de novo, pra não morrer de saudade da casa da gente. Eu, pelo menos, me sinto brasileira até o último fio de cabelo. Pixaim Língua de fora



Confessado por Bibi-chan às 18h44
[ ] [ envie esta mensagem ]


"A maldição do Kanfunsho" ou a "Irmandade Secreta dos Mascarados"

Aqui em Tóquio tá na época do kafunsho.

Parece que quando resolveram despoluir as grandes cidades, lá pelos anos 1970/80, plantaram um monte de cedros e ciprestes por todo lugar. O problema é que as 'árveres' soltam um monte de pólen no começo da primavera, que dá uma alergia louca em todo mundo, mais cedo ou mais tarde (tem gente que quando chega em Tóquio não sente nada, mas 2 ou 3 anos depois desenvolve a parada). Seus olhos e garganta coçam, seu nariz escorre o tempo todo, rinite, um inferno.

O massa é ver as propagandas dos produtos contra o kafuncho. Tem de tudo! Desde óculos especiais e colírios até sprays, xaropes, pomadas, chás, adesivos, pílulas, o diabos. 

Já faz umas 3 semanas que meu nariz e olhos têm coçado um pouco, principalmente depois de andar de bicicleta, então me recomendaram o uso da bendita máscara.

No começo você se acha ridícula, mas depois, além de se acostumar, você sente mesmo a diferença. Além disso, há um maravilhoso "plus a mais": você passa a fazer parte da irmandade secreta dos mascarados!

Aqui no Japão é muito difícil as pessoas te olharem nos olhos, em qualquer situação. Mesmo conversando! É considerado intrusivo e talz. No começo é bizarro, mas depois de um tempo você se acostuma a não olhar muito e nem ser olhado (só vale de esguelha!). 

Entretanto, imaginem a minha surpresa quando, logo depois de começar a usar a máscara (e ainda me sentindo bem idiota nela), notei que os demais mascarados não só procuravam, como mantinham, por alguns segundos, o meu olhar!!! Nas ruas, no metrô, talvez por uma falsa sensação de se estar anônimo, talvez por uma solidariedade anti-kafuncho, mas os japinhas agora me lançavam um confortante olhar solidário !!!

Eu perguntei pro pessoal do trabalho se há alguma sociedade secreta dos mascarados, mas ninguém nunca tinha notado que isso acontece. Até cogitei que me olhassem porque eu sou estrangeira, mas geralmente essa categoria de olhar é um misto de curiosidade e medo, enquanto o dos meus pares alérgicos é mais um olhar assim calmo e 'reassuring' que não sei explicar. Gosto de achar que, na véspera da bela estação das cerejeiras, estejam pensando algo assim:

Feia máscara

Ridícula, mas salva

Fins-de-semana 

 



Confessado por Bera-chan às 10h03
[ ] [ envie esta mensagem ]


A corrente vai morrer aqui, mas vamos lá...

" Até Úrsula se surpreendeu com o quanto havia mudado."

Gabriel García Márquez, Cem Anos de Solidão

(estou relendo, ô livro bom danado...)



Confessado por Bera-chan às 09h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


tipo assim

Back to Tokyo, tudo bem. São cinco horas e dezenove minutos e está tudo bem.

Vidinha tranqüila, gente tranqüila, está tudo bem.

Saudade danada (já) do Brasil e de todo mundo, mas está tudo bem.

Vontade de tomar água de coco e comer pastel, só que aqui tem my smoothie, toro e okonomiyaki; sendo assim, está tudo bem.

Friozinho chaaaaaato; aquecedor ligado, humidificador ligado, luva, cachecol, sobretudo, meia-calça, dor de garganta - e, no entanto, está tudo bem.

Horas de trabalho seguidas por horas de estudo; nem deveria, mas tá tudo bem.

(5 horas e vinte e sete minutos - já já eu volto)

"Nada pra fazer e nenhum lugar pra ir"; por isso mesmo, tudo bem.

Nada de novo entre o céu e a terra; não obstante (huauahua), tudo bem!

Ou melhor dizendo: tudo bem o caramba!!!!

Tudo bótimo.

E não, eu não sei por quê. Eis aí o mistério da fé. :)

"As we think, so we become"



Confessado por Bera-chan às 07h21
[ ] [ envie esta mensagem ]


Obsessões musicais

 

O show do Radiohead foi simplesmente espetacular. Os caras são perfeitos no palco, a produção do negócio é impecável e o palco tinha a iluminação mais legal que eu já vi ao vivo ou em gravações. 

E era o Radiohead. O RADIOHEAD. Porra, quem era jovem e esquisito na década de 90 sabe do que eu estou falando (by the way, Bruno, eu tive que comprar o ingresso no Yahoo! Auction, custou quase 500 reais!!!!!).

Eu estava gostando muito do show até os caras tocarem Paranoid Android - daí eu enlouqueci completamente!!!! Porque essa é uma das 80 músicas pelas quais eu já fui obcecada um dia. 

E sim, eu contei.  :) 

O motivo pelo qual eu fiz uma lista das músicas às quais eu obsessivamente escutei durante um certo período de tempo (que pode variar de 1 até 3 meses, ou mais) não foi simplesmente pela nostalgia da coisa, mas pra ver, afinal, se existe alguma relação entre elas. Porque, vejam bem, essas não são músicas das quais eu simplesmente gosto - são músicas que me assombraram durante muito tempo e as quais, até hoje, conseguem me afetar emocionalmente. Daí bateu essa curiosidade, cujo resultado eu compartilho com vocês.

Top 10, apesar de que vocês provavelmente não as conheçam; quando tem mais de uma do mesmo artista eu também listo:

10. Enya - The Sun in the Stream (sei que vão chover as críticas, mas aos 11 anos eu gostava tanto dessa música que tinha certeza de que era o que tocaria no meu casamento)
9. The Smiths - There is a Light That Never Goes Out 
8. Nine Inch Nails - The Perfect Drug 
7. Joanna Newson - Emily, Monkey and Bear. 
6. Sonic Youth - Shadow of a Doubt, Diamond Sea
5. Bjork - Pagan Poetry, Venus as a Boy
4. The Velvet Underground - Heroin, Venus in Furs
3. Nirvana - Drain You, Verse Chorus Verse
2. R.E.M. - I Don't Sleep I Dream, E-bow the Letter 
1. Dead Can Dance - The Carnival is Over, Rakim, Crescent, The Host of Seraphim, The Summoning of the Muse, Don't Fade Away, The Wind that Shakes the Barley

Fazer essa listinha aí foi complicado, porque tem várias músicas que hoje eu nem ouço muito (tipo Nirvana), mas que na época foram revolucionárias. A minha última obsessão o Rodrigo até ouviu (e gostou!): Andrew Bird, Action Adventure, que eu ouvi 20 vezes seguidas numa viagem de shinkansen. Mas eu não sei como eu vou lembrar dela daqui a alguns anos, então nem entrou na lista das 80. 

Minhas conclusões não foram muito científicas: tem artistas dos quais eu gosto _muito_ e que tiveram só uma música na lista (tipo Beatles e Pink Floyd), enquanto outros (como Tom Zé, Beck, Chemical Brothers, etc.) nenhuma. Em compensação, o Dead Can Dance tem esse número ridículo e olhem que eu me controlei bastante para não acrescentar mais nenhuma. O pouco que consegui deduzir foi isso:

1) Quase não há: músicas dançantes, animadas, felizes, divertidas ou engraçadas; 
2) Só 3 músicas (incluindo a da Enya!!  huhauahua) são instrumentais: em 80%  das outras 77, os vocais são muito marcantes (muito belos, poderosos ou estranhos);
3) Apesar disso, eu não estou nem aí para letras (grande parte delas eu não sei decorada ou mesmo de que se trata);
4) O importante é o "clima" da música: na maioria dos casos são músicas lentas, mas não ao ponto de serem baladas; em muuuitos casos esse 'clima' é meio soturno, misterioso e/ou sexy e, sei lá, como se fosse de outro mundo. 
5) Quase todas essas músicas conseguem me "transportar" para outro lugar a ponto de eu esquecer onde estou e o que estou fazendo.

Faz sentido? Eu sou o tipo de pessoa que parece querer estar em outro lugar, mais sexy, misterioso, soturno e estranho? Ou melhor: eu sou uma pessoa que odeia dançar, animação, felicidade, diversão ou humor??? Hahahahaha!!!!

Talvez simplesmente as pessoas tenham tendência a se apaixonar por canções que elas acham belas, como é o caso de 90% da minha lista. O que mudaria entre uma pessoa e outra seria o conceito de beleza? Ou quão importante ela é para cada um?  o___O;;;

Digam aí se rola esse lance da obsessão musical com vocês. E com quais músicas!!!! Humor me please. :)

Obs.: se alguém ficar curioso, geralmente dá pra ouvir trechos dessas músicas no All Music ou no Seu Tubo.
 
Obs.2: tem um livro do Oliver Sacks chamado "Musicophilia" (traduzido como "Alucinações Musicais") que eu finalmente acabei de ler e é bom demais !!! Pra quem tem essa nóia de música vale muuuito a leitura!!!! Eu me senti menos esquisita por ocupar tanto tempo da minha vida com música...


Confessado por Bera-chan às 01h44
[ ] [ envie esta mensagem ]


Ossos do ofício...

I'm so happy

Cause today I bought a ticket

To see Radiohead

I'm so ugly

That's okay cause so is Thom

We've broke our mirrors

Tuesday evening is every day for all I care

But it depends

Check my schedule

Don't wanna go to another Butoh dance!


Yeah yeah… yeah yeaaaaaaaah


Yeah yeah… yeah yeaaaaaaahhh yeah!


I'm so lucky
That's okay I've paid a lot

And I don't care

And just maybe I'm to blame

For all the stress

But I'm not sure

I'm so excited

A seat on row 13 is great

And here I'm tall

I'm so worried

They'll send me to another Butoh dance!


Yeah Yeah… yeah yeaaaaaaahhh


Yeah yeah… yeah yeaaaaaaahhh yeah!


Dun like it, awful Butoh dance!


Dun miss it, hours of Butoh dance!


Dun love it, crazy Butoh dance!


I'll kill you if I go to Butoh Daaaaaaaaance!!!!!!! 



 

Nem tudo são flores no cultural...



Confessado por Bera-chan às 05h47
[ ] [ envie esta mensagem ]


"As Time Goes By..."

Eu relutei, enrolei, disfarcei, mas não deu - essa semana tive que começar a organizar uma agenda. Essa coisa simples, a qual muita gente mantém desde os 15 anos, eu só comecei semana passada.

É muito engraçado virar chefe de uma hora pra outra (ainda mais com o chefe que eu tinha antes, que tratava todo mundo como imbecil) - você se vê cheia de reuniões, eventos, entrevistas, consultas, inaugurações, viagens e e-mails e vê que não dá mais pra brincar no miniclip.com durante o expediente. É ruim (eu gostava do Sushi-Go-Round), mas é bom (o tempo passa rápido), mas é ruim (é muuuito difícil tirar a mente do trabalho).

O soja de ser chefe, acho, é que o tempo todo você tem que tentar prever de onde vai vir a merda, e quando. Tem 1000 coisas para serem feitas, você só pode fazer 100 - e a prioridade tem que levar em consideração prazos, as vontades dos seus chefes, a disponibilidade das pessoas e o inesperado.

Aqui tem o "plus a menos" do choque cultural. Uma coisa é choque cultural quando você tá de férias e leva um grito por entrar de sapato no tatami da velhinha da esquina, outra é quando, por causa da sua reação "exótica", os japas ameaçam cancelar a participação no projeto de 150 mil dólares que está sendo organizado desde 2007 (isso aconteceu).

E tem os subordinados, também. Ainda bem que o destino não quis pegar assim _tão_ pesado comigo e me deu umas boas e legais. Eu fico obcecando é em não ser babaca (chefe pode ser exigente e pode ser difícil, mas não pode ser babaca - eu tento não ser nada disso, mas Deus sabe se estou conseguindo).

É bem assustador, é bem estressante, de uma forma muito diferente. Sei que para alguns dos 'leitores' isso não é novidade nenhuma, mas pra mim é inédito, "primeira vez na televisão" mesmo, e eu queria compartilhar! :))))

Acho que esse momento é muito, muito importante. Chego mesmo a acreditar que foi aí, nesse momento de crise (responsabilidades+cobranças+poder) que, na vida de muitos dos nossos colegas, as coisas começaram a desandar. Ninguém te ensina a ser chefe, muito menos um _bom_ chefe. E os exemplos, perdoem o eufemismo, não são tão numerosos assim.

O jeito é improvisar, e eu aqui estou tentando, da melhor forma possível. Mas se alguém tiver um guia, um manual, um "bossing aroud for dummies" e quiser me mandar, eu também não vou reclamar!!! :DDDD

_____________________________________________________

Obs.: Como o número de acessos do Diliça! não anda essas coisas, contratei uma firma pra fazer um jingle. Vejam aí o que vocês acham. :)

Obs.2: Meu Deus, vocês viram esse vídeo MARAVILHOSO do Schnauzer Real levando um TOMBO na última viagem oficial???? É BOM DIMAIS!!!!!!

Confessado por Bera-chan às 10h45
[
] [ envie esta mensagem ]


Isn't he lovely?

 

Não tem nada, nada, nada, nada mais gostoso do que comemorar o aniversário de um filho. E olha que eu sempre adorei comemorar o meu. Mas não tem comparação. Afinal, foi a gente quem "fabricou" :-) O aniversário de um filho é uma celebração de um milagre do qual a gente participou, ainda que tangencialmente. (Sim, porque a vida, como eu disse no post em que eu contava que estava grávida, se processa por si, independentemente da nossa vontade). Mas, pelo menos, eu vi e acompanhei tudinho. É um misto de orgulho, estupefação, gratidão, babação... É uma das melhores sensações que já tive. Recomendo vivamente :-)

PS: O título do post é por causa da música do Stevie Wonder mesmo, porque descobri que ele escreveu pra filhinha dele. E porque é fofa.



Confessado por Bibi-chan às 16h37
[ ] [ envie esta mensagem ]


The Landlord

Caraca, eu devo ter sido a última pessoa a ver esse vídeo do Will Ferrell (foi lançado faz um ano!), mas é bom demais para _não_ postar:

See more Will Ferrell videos at Funny or Die


"Can I have four beers????" Huhauhauhauhauahuahua.

Confessado por Bera-chan às 10h45
[ ] [ envie esta mensagem ]


More news from the front

Queridas pessoas,

Hoje completo 2 meses de Tóquio! Ehhh, parabéns para mim!!!!! Está sendo uma experiência mutcho loca, todo dia uma sensação diferente da cidade, uma impressão diferente das pessoas... e muitas coisas rolando. Mas vamos por tópicos senão eu me enrolo (vocês já devem ter percebido isso):

1) Festa no Apê

Desde que as cortinas chegaram, eu finalmente comecei a me acostumar com o apêzinho novo. Ele é mesmo uma tetéia, perfeito. Um dos problemas, entretanto, é o bairro. Quer dizer, um aspecto do bairro: não tem nada de útil!!!!! Só tem boutique e salão de beleza. Supermercado, padaria, lavanderia que é bom, neca. Pra entender melhor, só checando esse mapa. Minha casa fica entre os mapas de Harajuku e Shibuya (a Embaixada fica em Gaienmae). É até divertido passar pela bagunça todo dia, mas às vezes eu só queria poder comprar um pãozinho decente perto de casa.

Uma coisa divertida da casa é a privada high-tech. Claro que eu já conhecia os avanços dos vasos japoneses, mas, como o apê é novo, aparentemente instalaram um último modelo. Ele tem um painel de controle wireless com umas 12 funções inacreditáveis (até massagem, hauhauhu!) e, o mais legal, dá descarga sozinho quando você levanta!!!! Nem comentem que só falta falar, porque sei que tem uns que falam, tocam música e fazem barulho para 'disfarçar' e abrem a tampa sozinhos quando você chega perto. :)))

Devo dizer que eu estava um pouco estressada com a casa e essa falta de coisas úteis nas cercanias até que um anjo filipino apareceu na minha vida: ela se chama Maya e é a diarista mais despachada que eu já vi até hoje!!!! Me lembro que no primeiro dia ela chegou de motocicleta e já foi se oferecendo pra fazer compras dos produtos de limpeza, de água, mandar as roupas para a lavanderia, levar o lixo embora (aqui tem um sistema nazi de coleta de lixo), enfim, já foi resolvendo tudo sozinha!!! Aqui se paga caro por tudo, mas é impossível reclamar dos serviços.

2) Benri desu!

Um dos primeiros adjetivos que as professoras de japonês ensinam é 'conveniente' (benri). Estranho, né? Mas aqui no Japão faz sentido. Primeiramente, os caras são obcecados por lojas de conveniência e maquininhas de venda automática (não só de bebidas, de tudo! Vejam isso aqui se não acreditam).

Mas a coisa vai além disso. Os japoneses não conseguem conceber um mundo onde não haja uma solução perfeitamente adequada para os seus problemas. O resultado são bilhões de produtos surrealmente concebidos para as mais diversas funções (tipo as [privadas, ou o obrigatório embalador/desembalador automático de guarda-chuva molhado), além de embalagens impecavelmente desenhadas para abrir com facilidade (se não for, é estrangeira).

Um lado bom disso é que há um culto segmentado às coisas práticas e sem-frescura que eu acho maravilhoso!!!! Não é à toa que minhas lojas favoritas aqui são a Muji e a +-0.

3) Um lugar pra chamar Dirceu

Sabe quando se encontra aquele lugar que faz você se sentir maravilhosamente bem só de estar lá? Eu encontrei um desses aqui em Tóquio. É um lugar tão vibrante, tão surreal, tão libertador, que não tem como não se sentir bem. Eu estive lá nos últimos domingos todos, e é sempre maravilhoso - só neste último é que não pude ir (tava chovendo horrores) e confesso que fiquei semi-depressiva! Graças a Deus, é bem perto de casa.

Antes do Yoyogi Park tem Harajuku e os jovens vestidos de tudo quanto é possível e imaginável. No caminho para o Yoyogi Park tem as bandas de rua, dezenas delas, e à noite rolam mini-festinhas nas calçadas, de todos os ritmos (reggae, hip-hop, techno..). Na entrada do Yoyogi Park tem a galera rockabilly, com seus carros e topetes anti-gravitacionais. E dentro do Yoyogi Park tem piqueniques, alunos de arte, alunos de sapateado, grupos de canto, grupos de dança, de yoga, capoeira, mini-raves no meio das árvores, compositores solitários, e um monte de gente relaxando, cantando, gritando, bebendo e se divertindo como se o mundo fosse acabar. Num país como esse, em que dá pra sentir a pressão, quase física, na vida das pessoas, um lugar desses é um oásis, algo realmente emocionante.

Aqui tem algumas fotos de lá, mas eu prometo que, assim que a estação das chuvas acabar, postarei as minhas próprias!


Confessado por Bera-chan às 09h51
[ ] [ envie esta mensagem ]


samishii

viajei de novo. morri de calor e de saudade do meu filhote, mas foi bom. por diversas razões. fui acompanhada dessa vez, em companhia de luxo e removida. foi meio que nossa despedida. a única coisa realmente chata foi passar três dias com 40 graus na cabeça. e não foi de febre, não. infelizmente, minhas idas à cidade-maçã têm sido de extremos em termos de clima: ou eu congelo, ou eu derreto. e as duas são péssimas opções. especialmente quando a ocasião pede roupinha de trabalho... entre mortos e feridos (a martchela teve de ficar 4 horas debaixo de sol, em uma fila e eu tive de andar 20 quadras a pé com a candidata que eu estava acompanhando e me pediu), todos nos salvamos.

na última noite, fui com meu primo e sua namorada brasileira ultra legal a um lugar que me levou pra junto da bera-chan. é um restaurante chamado "ippudo", japa até o último fio de cabelo arrepiado dos garçons. como bem observou meu primo, é um dos únicos japas que não têm um monte de mexicano na cozinha. TODO MUNDO lá era japa, inclusive os clientes. menos a gente. a decoração era FANTÁSTICA. na parede, os nomes (em ideogramas, claro) dos funcionários. parecia citação literária, mas eu perguntei e era isso. se quiserem e tiverem tempo, procurem as reviews do restô no google. e a nossa garçonete me ensinou que o nome do restaurante significa "new wave" e que "samishii" é mais ou menos "I miss you". tentei telepatia de novo, mas já imagino que não tenha rolado, porque meus poderes parapsíquicos são realmente falhos. só achei muito legal chegar e encontrar as fotinhas dos seus cantinhos, bera-chan. aliás, "cantinhos" é apenas metafórico, né? enjoy.



Confessado por Bibi-chan às 11h00
[ ] [ envie esta mensagem ]


Fotos, at last!

Finalmente, a face de Suzuki-san é revelada!



AQUI!

Confessado por Bera-chan às 11h00
[ ] [ envie esta mensagem ]

[ ver mensagens anteriores ]
 

Layout

Versão 5.0 : Grandes Cidades
D.C., Tokyo ou onde você estiver

Blogueiras

Bera-chan
Mulher, 28 anos,
Pessoa estranha

Bibi-chan
Mulher (ui!), 30 anos,
"Uma deusa, uma louca,
uma feiticeira"

Amigos

Labirinto das Letras
In Fernem Land
Explorador deitado na rede
I Hear Voices
Nunca na História
An der Spree


Links

 Uol Blog
 Lost Media
 Misprinted Type


Histórico
26/07/2009 a 01/08/2009
05/07/2009 a 11/07/2009
31/05/2009 a 06/06/2009
12/04/2009 a 18/04/2009
08/03/2009 a 14/03/2009
22/02/2009 a 28/02/2009
14/12/2008 a 20/12/2008
19/10/2008 a 25/10/2008
14/09/2008 a 20/09/2008
17/08/2008 a 23/08/2008
27/07/2008 a 02/08/2008
13/07/2008 a 19/07/2008
22/06/2008 a 28/06/2008
15/06/2008 a 21/06/2008
08/06/2008 a 14/06/2008
01/06/2008 a 07/06/2008
25/05/2008 a 31/05/2008
18/05/2008 a 24/05/2008
11/05/2008 a 17/05/2008
04/05/2008 a 10/05/2008
27/04/2008 a 03/05/2008
09/03/2008 a 15/03/2008
10/02/2008 a 16/02/2008
03/02/2008 a 09/02/2008
23/12/2007 a 29/12/2007
16/12/2007 a 22/12/2007
18/11/2007 a 24/11/2007
04/11/2007 a 10/11/2007
28/10/2007 a 03/11/2007
07/10/2007 a 13/10/2007
23/09/2007 a 29/09/2007
26/08/2007 a 01/09/2007
05/08/2007 a 11/08/2007
29/07/2007 a 04/08/2007
01/07/2007 a 07/07/2007
17/06/2007 a 23/06/2007
27/05/2007 a 02/06/2007
11/03/2007 a 17/03/2007
04/03/2007 a 10/03/2007
31/12/2006 a 06/01/2007
17/12/2006 a 23/12/2006
10/12/2006 a 16/12/2006
26/11/2006 a 02/12/2006
12/11/2006 a 18/11/2006
05/11/2006 a 11/11/2006
29/10/2006 a 04/11/2006
22/10/2006 a 28/10/2006
15/10/2006 a 21/10/2006
08/10/2006 a 14/10/2006
24/09/2006 a 30/09/2006
17/09/2006 a 23/09/2006
10/09/2006 a 16/09/2006
03/09/2006 a 09/09/2006
27/08/2006 a 02/09/2006
20/08/2006 a 26/08/2006
30/07/2006 a 05/08/2006
23/07/2006 a 29/07/2006
16/07/2006 a 22/07/2006
02/07/2006 a 08/07/2006
25/06/2006 a 01/07/2006
18/06/2006 a 24/06/2006
11/06/2006 a 17/06/2006
04/06/2006 a 10/06/2006
28/05/2006 a 03/06/2006
21/05/2006 a 27/05/2006
07/05/2006 a 13/05/2006
30/04/2006 a 06/05/2006
23/04/2006 a 29/04/2006
16/04/2006 a 22/04/2006
02/04/2006 a 08/04/2006
26/03/2006 a 01/04/2006
19/03/2006 a 25/03/2006
05/03/2006 a 11/03/2006
19/02/2006 a 25/02/2006
12/02/2006 a 18/02/2006
01/01/2006 a 07/01/2006
25/12/2005 a 31/12/2005
18/12/2005 a 24/12/2005
11/12/2005 a 17/12/2005
04/12/2005 a 10/12/2005
27/11/2005 a 03/12/2005
20/11/2005 a 26/11/2005
13/11/2005 a 19/11/2005




Votação
Dê uma nota para
meu blog